Home
Quem somos
Programas
Álbum de fotos
Hanseníase
Tratamento
Notícias
Parceiros
Contato



Nos postos, centros de saúde, Programa de Saúde da Família (PSF) e outras estratégias da atenção básica de saúde da população, que devem estar preparados para atender as pessoas que contraírem hanseníase. A consulta e todo tratamento, até os medicamentos, são gratuitos. É dever do Governo atender a todas as necessidades do tratamento, incluindo a prevenção de incapacidades e a reabilitação. O portador de hanseníase, seus familiares e a comunidade devem exigir esse direito.

 

Há necessidade de separar o portador de seus familiares?

Não. A pessoa que está fazendo tratamento de hanseníase pode e deve ficar junto de sua família, no trabalho, na escola, sem sofrer separação ou rejeição. Todo portador de hanseníase, mesmo os que tem formas contagiantes, deixam de contagiar as pessoas assim que iniciam o tratamento, por isso, o tratamento é feito em ambulatório e o portador de hanseníase deve continuar a realizar suas atividades normalmente.

 


É necessário afastar o paciente em tratamento de seu trabalho?

Não. Todos os pacientes que fazem tratamento regular devem continuar trabalhando normalmente. A legislação sanitária afirma que é dever dos profissionais da saúde “garantir a manutenção dos doentes no trabalho, independente da forma clínica observada”.

 

Quais os direitos e deveres do paciente?

Os pacientes de hanseníase têm todos direitos assegurados como qualquer cidadã, além dos que lhe são garantidos pelas portarias ministeriais, que são os seguintes:

a)Portaria nº 724/eM, de 6/7/93, que instituiu o Comitê Técnico-Assessor de Dermatologia Sanitária, onde o Morhan participa como membro integrante.

b)Portaria nº 8141CM, de 22/07/93, que regulamenta o tratamento da hanseníase no país. (D.O. 4/8/93).

Quanto aos deveres, os pacientes também devem ser alertados quanto à sua parcela de responsabilidade no tratamento, pois sem isso não haverá controle da infecção, nem cura da doença e nem eliminação do problema no país.

 

Quanto tempo demora o tratamento?

Se a pessoa tiver menor quantidade de bacilos (Formas Paucibacilares), o tratamento Poliquinioterápico (PQT) demora 6 meses ou 6 doses. Se tiver maior quantidade de bacilos (formas Multibacilares), 1 ano ou 12 doses para a cura.

A PQT é doada para o Brasil pela Organização Mundial da Saúde, e tem que estar em todos os municípios gratuitamente.

 

Tem como prevenir a doença?

Sim. Detectado um caso, somente as pessoas que convivem no mesmo domicílio do doente (comunicantes intradomiciliares) deverão ser examinadas pela médico e se não houver hanseníase receberão a vacina BCG: uma dose para quem já usa anteriormente e duas doses com intervalo de seis meses para que nunca a usou. Atenção: colegas de escola e trabalho não precisam ser vacinadas.

 

 Responsável pelas Informações: Claudinei José Martins

                                                          CRM: 26.508

 

 
Top